Adaptação do filho na Educação Infantil

Adaptação na Educação Infantil
Adaptação na Educação Infantil

Se o seu filho vai passar por adaptação na Educação Infantil, quanto antes trabalhar isso, melhor – para ele e para você. Afinal, não dá para negar que é um momento delicado para toda a família. A criança, de repente, se vê no meio de pessoas estranhas e novas regras com as quais precisa conviver e os pais mal conseguem conter o pavor de imaginar seu “tesouro” sendo entregue aos cuidados dos educadores. A fase da preparação você já passou: pesquisou bastante, visitou diversas instituições e está seguro de sua escolha. No entanto, agora chegou a hora pra valer!

Tanto os pais quanto os professores devem compreender que cada criança passa por um processo individual de adaptação na escola. Algumas podem se acostumar rápido com o convívio entre outros colegas e adultos. No entanto, outras podem chorar para ganhar a atenção dos educadores ou simplesmente por estranhar o ambiente.

Muitas vezes, os pequenos vão permanecer pouco tempo na escola no início, até que eles se acostumem com o espaço e os profissionais. Essa passagem é crucial para as crianças perderem o medo de permanecer na escola e se sentirem seguras para aprender e conviver com os outros.

Apesar de cada criança ser diferente da outra nesta fase, as atitudes que se devem tomar é a mesma. Portanto, aqui vai algumas dicas para ajudar você e seu filho na adaptação na Educação Infantil:

Adaptação na Educação Infantil

Recepção

Nos primeiros encontros, o professor deve mostrar interesse pela criança, perguntar como ela está e transmitir segurança nessa aproximação. Porém, não se deve forçar a barra, pois o pequeno ainda está sentindo o peso da separação. O educador também pode apresentar todas as instalações da escola. A criança precisa se sentir acolhida durante a recepção.

Pedacinho de casa

Levar itens que tenham o cheiro do quarto dele, por exemplo, também vai confortá-lo: pode ser a naninha ou o brinquedo do berço. Só não se esqueça de manter atenção especial ao comportamento do seu filho. Como ele não fala, você precisa perceber se está se alimentando e dormindo bem, brincando normalmente ou se está com doenças respiratórias. Esses são indicadores de que algo não vai bem. Caso isso aconteça, visite a escola para ver se estão mantendo a rotina e converse com a coordenação.

Envolvimento com a família

O relacionamento entre a família e a escola também é fundamental para a adaptação na educação infantil. Portanto, o professor e o diretor devem compartilhar com os pais como foi a participação do aluno em sala de aula, a relação do pequeno com os demais colegas e as dificuldades que ele apresentou. Se a criança chorou durante o dia, os pais devem ser informados para que possam trabalhar em conjunto com a escola nessa adaptação.

Preservação da rotina

É muito importante que a família mantenha ao máximo a rotina da criança enquanto ela está em casa e se envolva na preparação para a ida à escola. Além disso, a organização do lanche e da mochila pode ser feita em conjunto com o filho para que ele perceba que essa é uma mudança positiva, pois vai perceber que os pais estão cuidando dele.

Pedagogia afetiva

Pedagogia afetiva

A pedagogia afetiva foi pensada para sanar um dos maiores problemas da educação brasileira, que é a falta de vínculo e significado entre os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Neste sentido, atualmente, professores e alunos são desconectados, o que impede diretamente o sucesso na aquisição de conhecimentos.

Para contornar essa falta de conectividade, é necessário adotar uma proposta pedagógica que motive e envolva educadores e estudantes. Afinal, desperta neles a vontade tanto de ensinar quanto de aprender.

É nesse contexto que surge a necessidade de um ensino voltado para aspectos afetivos, mesclando qualidade social e emocional à qualidade científica. Neste sentido, um exemplo dessa preocupação com as emoções é a definição da educação socioemocional como parte essencial do ensino na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A pedagogia afetiva busca o desenvolvimento cognitivo por meio das interações afetivas, tornando a aprendizagem mais agradável e significativa. Por fim, conheça mais sobre essa proposta pedagógica e veja os diferenciais de incorporar o que é humano à escola.
Clique aqui para saber mais

Pilares da pedagogia afetiva

PEDAGOGIA

Nasce da necessidade que o ser humano tem de continuar sua descendência. Afinal, por sua preocupação com o científico, com enfoque no aspecto cognitivo, a Pedagogia foi caracterizada como Ciência.

AFETIVIDADE

Evidenciada na necessidade humana de viver em grupo, a afetividade é uma forma de saúde que está vinculada à ação de cuidar e receber cuidado. Além disso, considera também que os seres precisam de limites que lhes assegurem o equilíbrio essencial, precisam de uma educação voltada para a afetividade!

VALORES E PRINCÍPIOS

Conhecimento, Transformação, Autonomia, Responsabilidade, Solidariedade, Respeito, Direitos e deveres, Democracia, Cidadania, Criticidade, Sensibilidade e Criatividade.

A Pedagogia Afetiva é uma proposta pedagógica para todos os segmentos. Além disso, a afetividade existe em todos os seres humanos, de todas as idades. No entanto, o desenvolvimento humano ocorre por vários estágios nos quais a inteligência e a afetividade vão se alternando em termos de importância. Por fim, o ensino e a aprendizagem se dão por meio das relações entre os sujeitos – professor e aluno. Dessa forma, podemos afirmar que os benefícios da Pedagogia Afetiva podem ser vivenciados em todos os segmentos da Educação, pois em todos eles há interação e há necessidade de qualidade cognitiva e socioemocional da Educação.

Ficou com alguma dúvida? Clique aqui para saber mais.

Benefícios da Dança

Importância da música

Os benefícios da dança vão além de movimentar o corpo. Além disso, foi uma das primeiras formas de expressão do homem. Linguagem gestual, sinais, expressões e ritmos são utilizados instintivamente como meio de interação e comunicação desde que o mundo é mundo. A dança acompanhou a evolução da civilização e com o passar do tempo foi ganhando mais visibilidade. Hoje sabemos que existem diversos tipo de danças, alguns estão relacionados às características regionais e outros ligados aos tipos de músicas.

A criança que dança trabalha a musculatura, fortalecendo-a, estimula a coordenação motora, flexibilidade. Além da postura, tem maior consciência corporal, noções de espaço. Ademais, melhora sua integração social. Musicalidade, ritmo e criatividade também estão entre os ganhos. Segundo Bianca Dore, “é nessa faixa que começamos a mexer mesmo com a dança, propriamente dita. Antes é mais uma recreação elaborada, digamos assim.”

Socialização é um dos benefícios da dança

Além de ser uma atividade física, a dança também é uma atividade social. Portanto, as aulas de dança podem ajudar as crianças a melhorar suas habilidades de comunicação, aprender a trabalhar em equipe, desenvolver um maior senso de cooperação e fazer novos amigos.

Exercitar-se

Um grande benefício da dança é que ela é uma atividade altamente física e ao mesmo tempo divertida. Então, o condicionamento físico de seu filho ficará ainda melhor, sem que ele tenha que fazer atividades repetitivas ou entediantes.

Autoconfiança

Quando uma criança aprende e pratica movimentos e posturas da dança, desenvolve maior consciência corporal. Além disso, quem dança está sempre em contato com o próprio corpo, e quando crescemos isso ajuda a nos sentimos mais confortáveis com nossa aparência, nossas dificuldades e até mesmo sentimentos.

A dança incentiva a criança a explorar diferentes formas de expressão. Isso pode ser particularmente benéfico para crianças com deficiências ou que estejam lidando com problemas emocionais significativos.

Quer conhecer nossa escola? Clique aqui.

Dente de leite

Dente de leite

O nascimento dos dentes de leite é uma fase interessante na vida da criança. Pois, eles começaram a ser formados jádente de leite na barriga da mãe – inclusive os dentes permanentes.

Como acontece o desenvolvimento dos dentes de leite?

Botões dentários

É ainda durante a gravidez que aparecem nos bebês os chamados botões dentários, que são as bases dos dentes de leite (também chamados pelos dentistas de dentes decíduos).

Tais botões começam a nascer por um rompimento que acontece na superfície da gengiva entre os 3 e os 12 meses de vida, são os primeiros dentinhos surgindo e aparecendo na boquinha do bebê.

O nascimento do primeiro dente do bebê

Embora possa acontecer entre 3 e 12 meses, o mais comum é que o primeiro dentinho “aponte” na boquinha do seu bebê por volta dos 6 meses, que coincide com o momento em que a alimentação dele começa a incluir alguns alimentos sólidos.

Embora seja raro, há bebês que têm dentinhos prematuros antes mesmo de nascer. A estimativa é de que um em cada 2.000 bebês já nascem com um ou mesmo dois dentinhos. Algumas vezes pode ser necessário extraí-lo.

Em bebês mais precoces, o primeiro dente a se romper é, geralmente, o dente central inferior, que nasce em torno dos 3 meses de vida. Já há outros bebês que podem começar a ter dentes apenas pouco antes de completar 1 ano de idade, o que também é perfeitamente normal.

Quando todos os dentes primários já nasceram?

Os últimos dentes, no fundo da boca do bebê, em geral, já nasceram pouco antes de o bebê completar 2 anos de idade. Aos 3 anos, a criança terá 20 dentes de leite formados, ou seja, a dentição estará completa. Mas, se o bebê já tem 1 ano e não tem sinal de dente, é necessário falar com o pediatra.

Mas, como aliviar os incômodos do bebê durante o processo do nascimento?

Há uma boa estratégia indicada pela odontopediatra Simone Bastos é fazer massagens. Trata-se de movimentos circulares pressionando levemente a gengiva do bebê. Portanto, deve estar com o dedo limpo e envolto em gaze ou fralda umedecida com soro fisiológico. Além disso, a especialista acrescenta: “Indicamos o uso de mordedores resfriados, a oferta de alimentos e bebidas frios ou gelados, pois o frio promove melhor a sensação de alívio por ajudar a diminuir os sintomas locais da inflamação”.

Saúde bucal

A saúde bucal na fase de dentes de leite é tão importante na fase permanente. Portanto, apesar de os primeiros dentinhos serem temporários, é evidente que precisamos que cuidar muito bem deles – até mesmo porque são eles são essenciais para o nascimento dos permanentes -, mas como? Além dos cuidados gerais, é sempre bom entender que tipos de tratamentos podem ser realizados durante essa fase da vida da criança. Vale lembrar que o acompanhamento profissional não é apenas bem-vindo, mas tremendamente necessário para indicar as medidas que devem ser tomadas, com base na análise do quadro clínico do paciente.

Para entrar em contato conosco, clique aqui.

Programa Odontológico

Prevenção Odontológica

Programa Odontológico

prevenção odontológica

A figura do professor é uma das principais na vida da criança. Mas, você sabia que ele também ajuda na saúde bucal do pequeno? Nossa escola tem um papel relevante no que se refere aos cuidados com a saúde bucal infantil, com o Programa Odontológico. A introdução sobre como proceder em relação ao assunto nos primeiros anos de vida escolar é justificada pelo fato de as crianças estarem em período de descobertas e em fase de aprendizagem. Pensar em bem-estar é pensar em prevenção. Assim que começa a ter coordenação motora, a criança deve ser estimulada e motivada a cuidar de sua higiene pessoal. O diálogo com as crianças é fundamental, explicar para elas a importância da higiene bucal e porque devem escovar os dentes, afinal de contas os ‘bichinhos’ (cáries) aparecem quando os dentes estão sujos e com resto de comida. Livros e filmes educativos, ajudam a ilustrar a explicação.

O programa de prevenção odontológica na escola, preservar a dentição natural é um trabalho constante e essencial. A higiene bucal regular é a melhor forma de preservar seu sorriso sempre saudável. Nossa profissional fornece orientações constantes sobre uma escovação correta, aplicação de flúor e uso de fio dental. Além de desenvolver o hábito de higienização precoce, tornar prazerosa a visita ao dentista, evitando possíveis traumas e reduzir custos no futuro, com tratamentos mais complexos. O acompanhamento é quinzenal através de atividades lúdicas e em grupos, adequadas para cada faixa etária, é possível mudar um comportamento e oferecer o conhecimento necessário para tornar a higiene bucal um hábito diário na vida dos pequenos.

 

 

Educação para o Trânsito

Educação para o transito

Educação para o trânsito amplia o olhar das crianças

As crianças são convidadas a explorar as regras de trânsito e seu funcionamento a partir das experiências trazidas por eles. A língua inglesa é ampliada em vocabulário e estruturas gramaticais, mas os ganhos e aprendizagens construídas vão muito além.

Educação InfantilO trânsito dos diferentes meios de transporte e o fluxo de pedestres é intenso e sua temática é amplamente debatida, já que ir e vir numa cidade não é sempre tão simples. As escolhas de organização da cidade dizem muito sobre sua dinâmica e sobre os comportamentos de sua população, ao convidar alunos da educação infantil a olhar como essa dinâmica afeta seu próprio cotidiano é o começo da formação para um olhar crítico sobre a ocupação dos espaços que habitam.

Para que servem as regras de trânsito? No que elas se diferem das regras das brincadeiras praticadas na escola? Como organizamos um grupo? Por que eu tenho que usar cadeirinha? Para que serve a faixa de pedestre? Esses questionamentos são levantados e debatidos pelas próprias crianças que, ao se apropriar dessas regras, passam a se sentir mais responsáveis pela própria segurança (convidando-os a refletir sobre o cuidado com o próprio corpo) com um olhar voltado também para o coletivo, já que as regras de trânsito buscam proteger o indivíduo e o outro simultaneamente. Esse tipo de trabalho extrapola a própria noção de regra como imposição, adquirindo uma dimensão lógica que possibilita sua significação e consequente conscientização.

Ensinando com Artes&Música

Artes e Música na educação infantil

música da escola

A definição da música e da arte na educação infantil passa pelas atividades musicais que oferecem inúmeras oportunidades para que a criança aprimore sua habilidade motora, aprenda a controlar seus músculos e mova-se com desenvoltura. A criança aos poucos vai formando sua identidade, percebendo-se diferente dos outros e ao mesmo tempo buscando integrar-se com os outros.

A partir do momento em que a criança entra em contato com a música e a arte, seus conhecimentos se tornam mais amplos e este contato vai envolver também o aumento de sua sensibilidade e fazê-la descobrir o mundo a sua volta de forma prazerosa. Sua interação e relações sociais serão marcados através deste contato e sua cidadania será trabalhada através dos conceitos que são passados através das músicas e das artes. A música e arte na educação infantil pode envolver outras áreas de conhecimento, através do desenvolvimento da auto-estima a criança aprende a se aceitar com suas capacidades e limitações.

A musicalização é uma ferramenta para ajudar os alunos a desenvolverem o universo que conjuga expressão de sentimentos, suas idéias, valores culturais e auxilia a comunicação do indivíduo com o mundo exterior e seu universo interior.

Culinária na educação

Culinária na Educação

As aulas de culinária, por mais que parecem um momento de brincadeira são, na verdade, uma hora de muita concentração e aprendizagem.

Culinaria infantil

Por meio da culinária podemos trabalhar de forma lúdica conceitos ligados à matemática, nos eixos de grandezas e medidas, e língua portuguesa, ao aproximarmos as crianças dos textos de receitas e instrucionais. Uma verdadeira investigação científica: ler receitas, calcular quantidades, fazer previsões e submeter os ingredientes às transformações que o calor do forno, a fervura, a fritura ou simplesmente a adição de temperos podem provocar.

As aulas de culinária ajudam as crianças a aprender conteúdos e desenvolver habilidades.

Observando as brincadeiras de faz de conta entre eles na cozinha, percebemos o interesse das crianças em ter mais conhecimento sobre os alimentos, participando, ajudando as professoras, descascando e cortando os alimentos.

E assim as crianças podem tirar dúvidas e satisfazer curiosidades, com a leitura de receitas escolhidas por eles e professoras, usando sempre a importância dos alimentos saudáveis e de qualidade para um bom desenvolvimento nutricional.

Ao produzir e montar pratos com criatividade na sua apresentação para que sejam atraentes, as crianças têm mais prazer de comer o que produziram, conhecendo muitas vezes alimentos que não estão em seu cotidiano.

Horticultura na Escola

Horticultura

Mostramos desde cedo a importância de produzir e cultivar hortaliças. A técnica é apresentada na prática, onde os pequenos colocam a mão na terra, literalmente, e preparam o solo para plantação e cultivo.

O objetivo dessa disciplina é demonstrar a importância nutricional dos alimentos, fazer com que os alunos apurem o paladar e aprendam, de forma lúdica, sobre como evitar desperdícios.

Trabalhamos a educação ambiental desde a Educação Infantil. O objetivo é desenvolver pessoas mais conscientes e preocupadas com as questões ambientais.

Corpo e movimento

Corpo e Movimento na Educação Infantil

O descobrimento do corpo na educação infantil

O tema corpo e movimento – o descobrimento do corpo na educação infantil se justifica pela necessidade de enfatizar, a partir de observações, a necessidade de a criança conhecer as funções de seu corpo e estabelecer relações de movimento que pertencem ao indivíduo em sua totalidade, revelando sentimentos, emoções, experiências vivenciadas por ela assim como a importância de criar hábitos e atitudes integradas ao corpo, possibilitando a construção da personalidade e da identidade; em outras palavras, se redescobrir.

Movimento na educação infantil

O foco principal deste trabalho se volta para o desenvolvimento da descoberta do corpo, no âmbito de investigação da consciência corporal, com o propósito de refletir sobre esse nível de complexidade envolvido no descobrimento do corpo durante a Educação Infantil.

As pesquisas defendem, em geral, o trabalho com o corpo o tempo todo para que a criança se aproprie da noção de espaço através de uma atividade prazerosa.

Pretendemos enfatizar a importância do estímulo à criatividade das crianças para que elas aprendam com as diversidades existentes no cotidiano escolar infantil seus valores, fundamentos e perspectivas na prática de uma aprendizagem rompendo barreiras e mitos sobre a educação, o lúdico e o corpo, e com isso mostrar que através da conscientização podemos demonstrar a contribuição que pode haver nesse campo de estudo que é a integração homem-cotidiano, fazendo com que nossos alunos aprendam brincando e para que eles possam também refletir não só sobre regras e limites, mas também sobre como aprender das mais diferentes formas.

O objetivo principal deste trabalho é mediar o processo de como olhamos nossos companheiros, como nos olhamos e como olhamos nosso mundo, isto é, para que as crianças saibam muito mais do que experimentaram pessoalmente e para que sua experiência com o mundo exterior, que constitui a realidade, através desses exercícios e brincadeiras, seja um meio de aceitação de si próprio, de suas limitações e do outro, atuando assim na sociedade de forma a construir um mundo melhor.