Coordenação motora da criança

Como trabalhar a coordenação motora da criança?

É possível observar o desenvolvimento e a coordenação motora da criança desde bebê. Portanto, acoordenacao motora ampla criança responde aos estímulos de várias formas e cabe ao professor, nas primeiras séries, trabalhar a motricidade da criança. Ao aprender a pintar dentro de espaços delimitados, a criança já começa a desenvolver sua coordenação. Além disso, a medida que ela for sendo alfabetizada, aumentará a sua capacidade motora.

No entanto, já ouviram falar de coordenação motora fina e grossa? Vale ressaltar que essa separação deve ser feita, já que são partes distintas. Veja abaixo os conceitos:

Coordenação motora fina

A função de escrever, fazer desenhos, pinturas, colagens, recortar papel, fazer traçados em folhas são apenas algumas atividades que podem ser feitas graças à coordenação motora fina. Ela é responsável pelo trabalho de pequenos músculos, localizados, principalmente, nas mãos e nos pés.

Na coordenação motora fina, uma das maneiras mais eficazes de se treinar a criança se dá por meio de exercícios que envolvam os movimentos das mãos. Sendo assim, as atividades que trabalham com pontilhados são as mais indicadas. O mais interessante é que isso pode ser feito de várias maneiras: giz de cera, lápis, tinta guache, colagem de papeis, barbantes e lãs.

Coordenação motora grossa

É que dá força para a criança correr, pular, dançar, caminhar ou qualquer outra atividade. Além disso, é responsável pelo impulso físico: ela abrange todos os músculos que possibilitam os pequenos a essas brincadeiras. Assim como a fina, a coordenação motora grossa também precisa ser estimulada desde a primeira infância.

Para ativar a coordenação motora grossa das crianças nada melhor que promover tarefas divertidas, como correr, brincar de pega-pega, pular, brincar de amarelinha e tudo aquilo que fez parte da nossa infância também.

Clique aqui e veja ferramentas para ajudar no estímulo à coordenação motora da criança.

Outras percepções importantes

RITMO – Pelo desenvolvimento do ritmo ordenamos o ato motor. Exemplo: dança do morto-vivo, produzir sons com o próprio corpo, pular corda, dançar e cantar, etc.

EQUILÍBRIO – É a base da coordenação dinâmica global do corpo parado ou em movimento. Bons exercícios de equilíbrio: andar na ponta dos pés, caminhar sobre uma corda, equilibrar-se em um pé só, etc.

PERCEPÇÃO – É a capacidade de perceber, reconhecer e distinguir os estímulos. Exemplo: brincar com a criança. Além disso, faze-la distinguir: pesadas e leves, molhadas e secas, duras e moles, sons alto e baixo, etc.

 

Clique aqui e entre em contato para saber mais sobre a nossa escola.

 

Ensino Bilíngue e o Desenvolvimento Infantil

Ensino Bilingue

Aprender duas línguas ao mesmo tempo pode prejudicar o desenvolvimento de ambas? Pode confundir a criança? Qual a melhor idade para aprender uma língua estrangeira? Com certeza você já fez algum desses questionamentos sobre aquisição/aprendizagem do ensino bilíngue e o desenvolvimento infantil. O tema do bilinguismo infantil tem interessado cada vez mais pais, educadores e profissionais ligados à educação.

Dentro do mesmo período de tempo que uma criança monolíngue leva para adquirir uma língua, as crianças bilíngues adquirem duas línguas e se tornam capazes de usá-las com propriedade e naturalidade. Ao contrário de confundir, a possibilidade de aprender duas (ou mais) línguas ao mesmo tempo, propicia à criança experiências cognitivas muito ricas. Nesse processo, ela se torna capaz de organizar a estrutura linguística de cada uma delas. Por isso quanto mais cedo a criança for exposta a outras línguas, mais facilidade terá para aprendê-las.

A infância é o período de adaptação das crianças ao meio, portanto, aprender uma segunda língua nessa fase auxilia no rápido desenvolvimento cerebral. Quanto mais estímulos a criança obtiver, maiores serão as chances de ampliar suas conexões neuronais, facilitando, assim, o seu aprendizado. Aos poucos, a nova língua vai fazendo parte de seu dia-a-dia e se transforma em algo natural. Atividades lúdicas como cantar, dançar e desenhar são um grande estímulo para que as crianças se soltem e consigam aprender um novo idioma.

Benefícios do Ensino Bilíngue

Especialistas e defensores do Ensino Bilíngue no desenvolvimento infantil, declaram que além de ajudar no aprendizado de uma nova língua e facilitar a comunicação, auxilia:

  • Na concentração, pois a criança precisa estar mais atenta ao falar um novo idioma. Ou seja, melhora consideravelmente as habilidades cognitivas;
  • Na bagagem cultural da criança, uma vez que ela terá contato com outras tradições e comportamentos. Ampliando os horizontes da criança, fazendo-a ver o mundo sob perspectivas diferentes. Incorporando aqueles valores associados a outra cultura, de modo a desenvolver menos pré-julgamentos, menos preconceitos, aceitando as diferenças.
  • Na criatividade, já que a criança terá uma maior percepção ao ter acesso a mais informações;
  • Em oportunidades, pois o mercado de trabalho exige cada vez mais dos que procuram uma vaga, esse é um diferencial.

Crianças que já estudavam em escolas monolíngues e querem estudar em uma bilíngue podem se adaptar sem problema algum ao novo espaço escolar. Aprender uma língua para seu crescimento afetivo, social e cognitivo, isso é incomensurável! Se interessou no assunto ou ficou com alguma dúvida, entre em contato com a gente, será um prazer atendê-los!!